Autor homenageado

Renato Palmares

Nascido em Campinas, em 1965, o poeta veio morar na Zona Sul de São Paulo em 1976. Palmares produziu peças de teatro como “Memórias de um mendigo sem malícia” (1993) e “As vozes de Paulo Eiró” (2004) e poesias como “Avelino Lemos Jr, Todos os Números”, homenagem ao Sarau do Binho publicada na II Antologia do Sarau (2015). Além de escritor, Palmares se destaca por mobilizar associações dedicadas à literatura, como a ASSESA (Associação dos Escritores de Santo Amaro). Residindo hoje no Jardim Olinda, Renato carrega a história do Sarau do Binho e de outros coletivos ligados às artes e literatura da Zona Sul. Sua poesia sonora, urbana, lírica e irônica marcou os frequentadores do Sarau nos anos iniciais. Além de um vídeo, a III FeliZS publicará o primeiro livro de Palmares.

 
Foto: Fernando Solidade

Foto: Fernando Solidade

ADRIANI DINIZ

É intérprete e participa do Sarau do Binho desde a sua criação.

alai diniz.jpg

ALAI DINIZ

Professora universitária, ensaísta, poeta e tradutora. Obra poética: Ventri Loca em Kartonera (2010). Roteirista de Guataha (2014) com C. Knoll. Aposentada, retorna à Zona Sul/SP onde iniciou sua carreira docente e participa agora do projeto do Espaço C.C. I LOVE LAJE, coordenado por Marco Pezão no Campo Limpo, produzindo dramaturgia, poemas e reportagens.

Alai vai mediar a roda "O Feminino na Literatura Jovem" no dia 23.09 às 17h na Praça do Campo Limpo

naya.jpg

ALINE ANAYA

Educadora, poetisa, favelada, articuladora cultural e integrante do espaço comunidade e sarau versos em versos. Atualmente se aventura nos estudos de cinema e teatro e esta trabalhando junto com parceiros em seu primeiro curta metragem. É batuqueira e escrevente das inquietações pretas e perifericas.

augusto cerqueira2.jpg

AUGUSTO CERQUEIRA

Poeta e educador popular, figura na cena periférica da arte paulistana. Vive no M’Boi Mirim, onde atua em projetos de inclusão social e, principalmente, da farta boêmia que se estende pelos becos e vielas dessa triste e linda zona sul. Daí seus poemas: ácidos e ternos. Contraditórios como a própria vida.

baltazar honorio.jpg

BALTAZAR HONÓRIO

No início dos anos 90, Baltazar conheceu os grupos de rap Código 13 e Doutors MCs que lhe convidou para narrar e apresentar seus festivais de rap na Praça do Campo Limpo. Logo ele conheceu a equipe de produção de eventos a MW Som que lhe contratou para organizar e gerenciar a montagem dos equipamentos de som nos palcos de festas e festivais espalhados pela praça e adjacências. A partir de 2005, ele conhece os compositores Claudinho Oliveira e Guinão Oliveira, juntos formalizam a criação da banda Preto Soul, que em 2015 completa 10 anos de existência e apresentações. Também foi contratado para ser produtor cultural em diversos locais como o Espaço Cultural do Campo Limpo, Projeto Arrastão, Projeto Praça da Cultura - OCCA e CIEJA Campo Limpo. Atualmente é contratado do projeto REDES dentro da Agência Solano Trindade e realização de atividades culturais de economia solidária.

BETO SILVA

Pedagogo e psicopedagogo, mediador e multiplicador de leitura, consultor e assessor de projetos nas áreas de leitura, literatura e juventude, já atuou em projetos na educação, cultura, saúde e assistência social.

CAMILA BRASIL

Voz aberta aos berros da cidade ensandecida, a compositora Camila Brasil apresenta seu universo místico com influências da música popular brasileira, permeando os diversos ritmos como roda de coco,baião, ciranda, maracatu, pop entre outros.De maneira intimista, Envolve o público na atmosfera de suas canções que retratam seus amores, suas crenças e fúrias.

Capulanas

CAPULANAS CIA DE ARTE NEGRA

Companhia composta por jovens negras(os) de movimentos artístico políticos de São Paulo. A cia nasce da vontade de dialogar com a sociedade sobre as descobertas, anseios e percepções da mulher negra. A proposta é de fortificar a imagem da mulher negra, para isso nos apropriamos do pensamento da cultura popular, onde todas as artes se fundem: a música, a dança, poesia, artes plásticas, teatro e outros.

carolzinha texeira.jpg

CAROLINA TEIXEIRA (ITZÁ)

Artista visual, educadora e grafiteira, idealizadora da residência artística autônoma Útero Urbe. Integra os coletivos Periferia Segue Sangrando, Fala Guerreira e Punga Crew, formada por seis grafiteiras paulistanas.

claudinho oliveira.jpg

CLAUDINHO OLIVEIRA

Músico, professor de música, produtor musical, articulador cultural, diretor da Agência Coletivo Projetos Sócio Culturais, contrabaixista da Banda Nego Veio.

Clarianas

CLARIANAS

É um grupo musical formado por 3 cantoras/atrizes (Martinha Soares, Naloana Lima e Naruna Costa), um rabequeiro/violonista (Giovani Di Ganzá) e uma percussionista (Fefê Camilo), que tem como mote principal a investigação da voz da mulher "ancestral" na música popular do Brasil, a partir do contexto da música "natural", de tradição popular, dos cantos caboclos de matriz africanordestina-indígena-periférica, das comunidades brasileiras.

Conceição Evaristo

CONCEIÇÃO EVARISTO

Escritora, mestra em Literatura Brasileira pela Puc-Rio e doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense. Com obras publicadas na França, Estados Unidos e Alemanha, a autora alinhava em seus contos e memórias a ancestralidade e a oralidade (que denomina suas “escrevivências”, base de sua literatura), seres e causos fantásticos e sensíveis retratos da condição da mulher negra quanto ao seu corpo, a maternidade, a desigualdade social. Autora de “Ponciá Vicêncio” (2003), Olhos D´Agua, (2014) e Histórias de Leves Enganos e Parecenças (2016)

Foto: Lela Beltrao

Foto: Lela Beltrao

GRUPO CUPUAÇU

Criado em 1986 a partir de aulas de danças brasileiras, ministradas pelo Mestre Tião Carvalho no Curso de Formação de atores do Teatro VentoForte. Apresenta em seu repertório danças populares tradicionais, canções de criação coletiva, músicas incidentais, cânticos e ladainhas de autoria de seus integrantes, bem como canções de domínio público e pertencentes ao cancioneiro popular de diferentes regiões brasileiras, apresentando os seguintes ritmos e danças: Bumba-meu-boi, Cacuriá, Ciranda, Dança do Caroço, Lelê (ou Péla-Porco), Maculelê, Samba de Roda, Tambor de Crioula, entre outras.

Daniel Puri

DANIEL PURI

Militante do Tribunal Popular, Daniel pertence ao povo Puri da Aldeia Maracanã e é Diretor da Centro de Educação e Cultura Indígena (CECI) Jaraguá (São Paulo).

Daniel Wasawulua

DANIEL WASAWULUA

Natural da República Democrática do Congo, vivenciou valores da cultura tradicional bakongo como o senso do coletivo, a busca do mais velho como sábio, a postura de luta diante das dificuldades, e o conhecimento preservado pela natureza. No Brasil há quase 10 anos, desenvolve um trabalho com arte e educação no Museu Afro Brasil. Juntou seu talento como músico e sua capacidade comunicativa à experiência de reviver histórias e brincadeiras com crianças, adolescentes e adultos.

djalma pereira.jpg

DJALMA PEREIRA

Escritor Paraibano de Pilões, tem 67 anos. Seu primeiro livro, "Sonho do Cacique" foi lançado em 2014. Lançou seu segundo livro "A luz da candeia - versos de amor" em 2016. Djalma retrata no seus livros poesias que falam do sertão, da natureza e de amor. Acompanha ativamente o Sarau do Binho desde 2013 e tem participado dos saraus nas escolas, levando a matéria poéticas aos alunos.

ermi panzo.jpg

ERMI PANZO

Escritor, poeta, declamador e oficineiro. Em Angola, seu país de origem, coordena o Projeto Carta e é membro do Movimento Berço Literário. No Brasil presidiu palestras, workshops em instituições como SESC e Universidade Federal de Santa Catarina. É Campeão do 1º Concurso de Palavra Falada de Angola e um dos 8 melhores poetas do festival The Spoken Word Project, realizado pelo Goethe Institut de Joanesburgo.

Fabiana Teixeira

FABIANA TEIXEIRA

Educadora Social, Mediadora de conflitos no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, formada em ciências jurídicas pela PUC-SP e UniFMU-SP. Cursou Administração de Organizações do Terceiro Setor pela FGV-SP e Fundação Salvador Arena e formou-se como educadora Popular pelo Instituto Paulo Freire. Poetiza e Contadora de histórias, integrante do Sarau do Binho participou das publicações Antologia Poética do Sarau do Binho e Sarau do Binho II. Produziu a Mostra Cultural de Paraisópolis, a Semana das Bibliotecas de Paraisópolis e a FeliZS  2015 e 2016. Implementou as oficinas de Cultura de Paz e de Leitura, Jogos e Brincadeiras no Espaço Esportivo e Cultural BM&F BOVESPA.

fernando rangel.jpg

FERNANDO RANGEL

Músico na Banda Veja Luz, uma das bandas de reggae mais importantes da Zona Sul de São Paulo. Participa ativamente de vários coletivos literários da zona sul, como o Sarau do Binho, o Bloco das Cores, o Sarau da Ponte pra cá e o Sarau A Voz do Povo.

flavia dalima.jpg

FLÁVIA D'ÁLIMA

Atriz, Produtora, MC, Compositora e Arte Educadora. Atua como atriz há 22 anos, integrando elencos da Trupe ArteManha, UTT - União Teatral Taboão, Grupo Clariô e Cia. de Teatro Encena, além de participar de curtas e longa metragens. Também atua como Arte Educadora em organizações sociais e espaços culturais. Produz espetáculos e projetos voltados a arte e a educação. É Co-fundadora, compositora e MC no coletivo Funk de Griffe. Escreve no blog http://erapraserursula.blogspot.com.br/

Magela

GERALDO MAGELA

Cantor, compositor, instrumentista, professor e criador do Grupo Cultural Candearte. Teve contato com a cultura popular através das Folias de Reis, aos sete anos de idade. Não parou nunca mais. E para a nossa alegria segue organizando rodas de ciranda e cortejos de bumba meu boi, pelas ruas ou onde quer que seja.

1509122_10205172714575031_3041474804030909478_n.jpg

GIOVANI BAFFÔ

Nasceu em São Paulo, em 1982, na Favela do Morumbizinho, um dos últimos bairros do Butantã. É oitavo filho de uma família de 16 irmãos. Trabalhou 12 anos como camelô, mas se envolveu com a literatura e hoje vende folhetos de suas obras pelas ruas. Já participou de diversos encontros de literatura. Giovanni Baffo é poeta do coletivo Poesia pelo qual publicou dois livros e de mão em mão já vendeu mais de 3.000 exemplares na rua. Organiza na favela do Jardim Boa Vista o Sarau Viela en Close e o Jazz na Kombi, entre outras ações culturais.

Foto: Marina Melo

Foto: Marina Melo

GLEISON LUIZ NASCIMENTO

Pernambucano de Recife, escritor e autor, desenvolve um trabalho de performances/recitais. É integrante do grupo #4urubueacarniça e ex-integrante do grupo São Saruê. No cinema, teve seu primeiro filme rodado em 2014, "Sobre o peito, a lâmina: Crua". Letrista, está gravando um disco com músicas inéditas em parceria com a banda Marsa.

Gunnar Vargas

GUNNAR VARGAS

Cantor, compositor, violonista, arranjador e produtor. De 2007 a 2010 Produziu o cd “Encontro de Compositores”, o EP “Vira Lata” com a banda Os mamelucO, a trilha sonora dos curtas “O sonho de Titia” e “Amanhã Talvez”, em 2010 produziu seu primeiro cd solo “Circo Incandescente” com os arranjos de Luiz Waack e em 2011 lançou o clip “Mais um Samba”.

ingryd sena.jpg

INGRYD SENA

Artista da Cultura Popular. Participa do Grupo Candearte e da Cocada, movimentos de cultura popular em Taboão da Serra.

Jarid Arraes

JARID ARRAES

Nascida em Juazeiro do Norte, na região do Cariri (CE), em 12 de Fevereiro de 1991, Jarid Arraes é escritora, cordelista e autora dos livros "As Lendas de Dandara" e “Heroínas Negras Brasileiras”. Atualmente vive em São Paulo (SP), onde criou o Clube da Escrita Para Mulheres. Até o momento, tem mais de 60 títulos publicados em Literatura de Cordel, incluindo a coleção Heroínas Negras na História do Brasil.

jesuana prado.jpg

JESUANA PRADO

Nascida em Fortaleza (CE), iniciou sua escrita poética aos 14 anos junto à militância em grêmio estudantil. Pedagoga por formação pela Universidade Federal do Ceará, poetisa e artesã por puro prazer. Em 2014 iniciou uma viagem mochilando por alguns estados Brasileiros divulgando seu primeiro livro “Cotidiano Poético”, lançado de forma independente. Gostou tanto do ativismo artístico cultural literário da zona sul de São Paulo que desde setembro de 2016 mora na região. Está na fermentação de seu segundo livro de poesias “Ruar”. Atualmente compõe a Coletiva de mulheres Camomila e Sarau do Binho e colabora com o Sarau da B1 na periferia de Fortaleza. 

jhoni mutcho.jpg

JHONI MUTCHO

Compositor de samba e poeta. Organiza a Casa do Bloco das Cores, no Jd. Helga e planta mudas de plantas pelo seu bairro.

ze sarmento.jpg

JOSÉ SARMENTO

Morador da periferia da zona sul de São Paulo. Cresceu nos campos irrigados e serras da cidade de Sousa, PB. Trabalhou como boia fria até aos 19 anos. Por ter pais analfabetos e falta de escolas, alfabetizou-se somente aos 14 anos e de lá pra cá nunca mais parou de ler e escrever. São Paulo foi à saída, onde se fez profissional de iluminação do audiovisual em longa-metragem, curta e publicidade. Casado, pai de quatro filhos. É graduado/licenciado em História com bolsa do PROUNI, depois de voltar a estudar quase aos cinquenta anos. É escritor de oito romances publicados em papel que anda por aí em sites de literatura e na mochila

Ju Vieira

JUH VIEIRA

Compositor, ator, dramaturgo, artista plástico. De formação autoditada vem atuando nessas áreas desde 1995. Participou também como músico de várias gravações e shows com Dercio Marques, Doroty Marques, Zé Geraldo, Gunnar Vargas, Fernanda Coimbra, Camila Brasil... Apresentou-se por vários países como ator e músico.

Lids

LIDIANE RAMOS

Conhecida nos meios literários como Lids Ramos, é mãe, produtora cultural, poetisa, co-fundadora do Sarau da Ademar. Pesquisadora dos universos africanos. Participou das Antologias II e III  e IV do Sarau Poesia na Brasa; participou da coletânea Pelas Periferias do Brasil volume III; é co-autora do livro Roube-me por favor; Primeiras Prosas do Sarau da Ademar. "Acredito que os movimentos populares e culturais são meios de, alcançar, inserir, reconhecer as pessoas que vivem nas margens da sociedade. Onde acessar os universos africanos, tradicionais e modernos, não implica necessariamente uma busca às origens, mas uma reavaliação de pertenças. Pesquisar os lados de lá do Atlântico, possibilita arejar e fortalecer nossas experiências criativas em terras brasileiras". 

Luedji Luna

LUEDJI LUNA

Mulher, negra, cantora e compositora. “Nascida no Cabula, criada em Brotas e morando em São Paulo”. Com influências do Jazz e da MPB, Luedji iniciou seus estudos em música na Escola Baiana de Canto Popular da prof. Ana Paula Albuquerque. Foi membro do Bando Cumatê e vencedora da etapa regional do Festival da Canção Francesa, realização da Aliança Francesa em 2013. No mesmo ano cantou no espetáculo “Ponto Negro em Tela Branca” da Diretora Kléia Maquenda. Desde 2015, residindo em São Paulo, vem participando de projeto audiovisuais como o Balcony TV, e mais atualmente o Sofar Sound. A cantora vem se apresentando nas principais casas da capital como Puxadinho da Praça, Kabul Bar, Bourbon Street, e Café Piu-Piu onde realizou seu primeiro show na cidade: “Um corpo no mundo”, que tem com mote a diáspora negra, também tema do seu primeiro disco.

BESO (Marcelo A. M. Veronese)

Doutor (2015) e Mestre (2009) em Teoria e História Literária pelo IEL-Unicamp, com especialização em literatura italiana (La Sapienza Universidade de Roma, Itália, 2014), com pesquisas sobre a obra do poeta paulistano Roberto Piva (1937-2010). Publicou três livros de poesia: Juventude Supersônica (2008, Do Autor), Almas Elétricas (2010, Editacuja Editora) e Nojo (2016, Editora Urutau).

Maracatu Ouro Congo

MARACATU OURO DO CONGO

Grupo que pesquisa, pratica e vive a cultura do maracatu-nação. Nasceu em 2010 na Zona Sul de São Paulo.

Foto : Lela Beltrao

MARCELO PRETTO

Cantor autodidata, fez cursos de percepção e harmonia com os artistas Ricardo Breim e com Antonio Placer (Espanha) e Meredith Monk (EUA). É membro fundador do grupo A Barca, com quem gravou 3 discos, e integra também o grupo Barbatuques há cerca 15 anos. Tem um duo de voz e violão com Swami Jr., que resultou no cd A Carne das Canções lançado pela Borandá (2014). Com extensa carreira internacional, já se apresentou em teatros e festivais na Colômbia, França, Portugal, Espanha, Líbano, Eslovênia, Suíça e China, entre outros. Como cantor e percussionista corporal participou de mais de cinquenta discos de artistas brasileiros e estrangeiros.

Foto: Simone Marinho

Foto: Simone Marinho

MARCIA TIBURI

Graduada em Filosofia e Artes, mestre e doutora em Filosofia (UFRGS, 1999) com pós-doutorado em Artes. Publicou diversos livros de filosofia, entre eles Filosofia prática e Uma fuga perfeita é sem volta (Record, 2016), Como conversar com um fascista (Record, 2015), Sociedade fissurada (Record, 2013), Olho de vidro (Record 2011), Filosofia Pop (Ed. Bregantini, 2011), Filosofia brincante (Record, 2010) e Mulheres, filosofia ou coisas do gênero(EDUNISC, 2008). Publicou também romances: Uma fuga perfeita é sem volta(2016), Era meu esse rosto (Record, 2012), O manto (2009), A mulher de costas(2006) e Magnólia (2005).  Desde 2008, coordena um Laboratório de Escrita Criativa, atualmente no Rio de Janeiro, na Escola Passagens.É também Professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Marco Pezão

MARCO PEZÃO

Autor do livro de poemas "Nóis é Ponte e Atravessa Qualquer Rio". Repórter fotográfico, jornalista varzeano e mantenedor do blog Futbolando. Curador do Sarau A Plenos Pulmões, na Casa das Rosas, que acontece mensalmente há 4 anos.

Mel Duarte

MEL DUARTE

Poeta, slammer e produtora cultural, atua com literatura independente desde 2006. Faz parte do coletivo “Poetas Ambulantes” e é uma das organizadoras da batalha de poesias voltada para o gênero feminino “Slam das Minas - SP”. Em 2016 Mel foi destaque no sarau de abertura da FLIP (Feira Literária Internacional de Paraty) e foi a primeira mulher a vencer o Rio Poetry Slam (campeonato internacional de poesia) que acontece dentro da FLUPP (Feira Literária das Periferias) no Rio de Janeiro. Em 2017, foi convidada a representar a literatura brasileira no Festilab Taag, em Luanda, Angola. Possui 2 livros publicados de forma independente “Fragmentos Dispersos” (2013) e “Negra Nua Crua” (2016) publicado pela editora Ijumaa e em seguida transformado em audiolivro pela Tocalivros.

Nelson Maca

NELSON MACA

Nascido na cidade paranaense de Telêmaco Borba, teve um encontro com as ideias do movimento negro aos 13 anos. Com 22, migrou para Salvador em busca de uma Bahia preta e para estudar letras na UFBA. Hoje, professor de literatura da UCSAL, tem um trabalho influenciado por artistas que vão desde rappers, como Mano Brown e Thaíde, até escritores, como Lima Barreto e Richard Wright. Da filosofia, bebe na fonte do existencialismo de Jean-Paul Sartre e do pós-colonialismo de Franz Fanon. Mas não é na academia que ele se realiza como pessoa, e sim no ativismo social como integrante do grupo político-artístico Coletivo Blackitude, criado há 14 anos e agita a consciência negra de Salvador todas as quartas-feiras, no Sarau Bem Black, no Sankofa African Bar, Pelourinho.

Nicoly Soares

NICOLY SOARES

Estudante do Ensino médio na E.E. Francisco D'Amico, participa do Sarau do Binho como poetisa. Também faz parte da Coletiva Camomila.

Pedro Pontual

PEDRO PONTUAL

Presidente honorário do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), que presidiu de 2000 a 2008. Membro da equipe técnica do Instituto Pólis. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Foi secretário de Participação e Cidadania da Prefeitura de Santo André. O psicólogo Pedro Pontual é um especialista no processo educativo ligado à organização social e orçamento participativo (OP). Desde a década de 1970, ele atua junto aos movimentos sociais e a organizações não-governamentais na temática da participação cidadã nas políticas públicas.

Participa da mesa "Território, Movimentos Sociais e Educação Popular: Novos Círculos de Cultura" no dia 15.09 às 19h no Sesc Campo Limpo.

otilia.png

OTILIA FERNANDES

Cantora, intérprete, faz parte do Espaço Cultural I Love Laje e do Sarau A Plenos Pulmões.

Phran Noctuam

PHRAN NOCTUAM

Educadora popular, grafiteira, poeta, integrante da coletiva Audácia, e dos coletivos Rua Juventude Anticapitalista e Espaço Comunidade.

Participa da roda de conversa "Os Saraus e seus desdobramentos nos territórios" no dia 23.09 às 13h na Praça do Campo Limpo.

peu pereira.jpg

PEU PEREIRA

Nasceu em São Paulo em 1982, porém há indícios de descendência nordestina, árabe e asteca. Estudou Ciências Sociais na PUC-SP. Participou de cursos em artes visuais, design gráfico, terapia artística com aquarela, desenho e pintura. Estudou cinema em diversos cursos de formação livre e se destacou na realização de filmes documentários sobre a cena artística e cultural nas periferias de São Paulo. Produziu curtas metragens de ficção, vídeo-arte, clipes musicais e outras peças visuais. Atualmente desenvolve o projeto “Inéditos e Dispersos”, documentário sobre a nova cultura paulistana. E prepara lançamento de seu primeiro livro de poesia, “Às Vésperas do Extraordinário” pelo selo Maloquerista.

Rap Guarani Mbya

RAP GUARANI MBYA

O grupo, liderado por Valcenir Tibes, utiliza a linguagem do Rap para expressar as vivências dos jovens guarani das três aldeias presentes em São Paulo.

Robsoul

ROBSOUL

Pedagogo e professor da rede municipal de educação, MC de Rap.

Rosa Iavelberg

ROSA IAVELBERG

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1973), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (1993) e doutorado em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professora Livre Docente e pesquisadora, atua na Graduação e da Pós-graduação do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Diretora do Centro Universitário Maria Antonia da USP (2006 a 2009). Atua na área de Artes, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, formação de professores, arte na educação, currículo de arte na educação, desenho da criança e do jovem.

Sabrina de Paula

SABRINA SYSTA

Professora, historiadora, ativista, militante, baterista, MC e cantora. Desde 1994, desenvolve atividades no meio cultural como organizadorade shows beneficentes, palestrante sobre questões étnico-raciais, oficinas de MC e participações poéticas em saraus. Em 2014 foi convidada para ser integrante do Coletivo Sarau Alternativo.

Shirley do Carmo, mediadora

SHIRLEI DO CARMO

Pedagoga, assistente de Diretor na EMEI Chácara Sonho Azul. Na direção da EMEI, participou da implementação de uma proposta pedagógica que inscreveu a escola no catálogo de escolas inovadoras do MEC, priorizando as linguagens expressivas e a expressão artística. Atualmente, a escola está envolvida com o projeto Brincandarte, que visa conseguir recursos para abrir o ateliê da escola à comunidade. Membro do GT Étnico Racial da DRE CL e do coletivo Rede de Educadores Brincantes da Zona Sul.

Vai mediar a mesa “A arte como potência de vida na escola: leituras de corpos e de mundos” no dia 14.09 às 18h no Sesc Campo Limpo.

thata alves2.jpg

THAYANEDDY ALVES

É escritora, autodidata e artista multimídia, transita entre vídeo, performances e poesias. Precursora do Sarau da Ponte Pra Cá, atua na organização e produção do encontro mensal, que há quase três anos recebe inúmeros poetas e artistas de diferentes locais para se apresentarem. Depois de criar o sarau, juntou seus versos, e publicou em 2016, de maneira independente pelo selo Academia Periférica de Letras seu primeiro livro autoral de poesia marginal intitulado “Em Reticências”. Prepara agora o segundo título, cujo título provisório é “Ascenção”.

Valdeck de Garanhus

VALDECK DE GARANHUNS

Pernambucano de Garanhuns, nasceu em 1952 e logo depois foi levado para Recife pelos pais. Criou-se na capital, porém ia sempre passar as férias em companhia do seu avô materno na cidade natal. Foi com esse avô que teve os primeiros contatos com a poesia e o artesanato. No bairro do Jordão em Recife, fundou e dirigiu o grupo de teatro Acauã, montando várias peças, inclusive o “Drama da Paixão de Cristo por dez anos consecutivos. É poeta, artista plástico, arte-educador, ator, compositor, contador de estórias e mestre em Teatro de Mamulengo. Com 25 anos de carreira, o artista usa o Teatro de Mamulengos como recurso educacional em escolas, empresas, entidades, nas ruas e praças. Está entre os melhores xilogravuristas do país tendo participado de importantes salões de artes plásticas, várias exposições. No exterior expôs em Washington e Nova York, nos Estados Unidos; em Hameln e Erlagen, na Alemanha, e suas obras fazem parte do acervo do Museun für Völkerkunde em Frankfurt/Alemanha.

Zilda 1.jpg

ZILDA PAIVA

Escritora do Capão Redondo onde mora há 20 anos. Seu primeiro livro “Saudades de Lu” foi lançado em 2015. Tem 57 anos e três filhos. Participou de 3 antologias pelo Beco dos Poetas: “Enamorados”, “A lua sobre nós” e “Alma de poeta”. Frequenta o Sarau do Binho desde 2013 e participa das apresentações do projeto Matéria Poética, que leva saraus às escolas púlicas da região.

 
renatopalmares.jpg
 
Foto: Malu Monteiro

AKINS KINTÊ

Poetinha sem tempo, remetido ao passado, presente e futuro, “nascido no berço do skindô e criado nos terreiros do ziriguiduns” tem como escola os campos de várzea, e o corpo batuca sob a luz da lua, delicia os lábios na menina que traz na pele a mesma cor da noite. Bebe de se embriagar na fonte do samba e da oralidade dos negos velhos, bom com a memória é um elo na manutenção na casa da ancestralidade onde arrisca poetizar através da lente câmera. Teu escritório é nas esquinas da vida de onde silencia tuas mãos e o coração dedilha sempre um verso seja lá qual for adversidade da vida.

allan da rosa.png

 ALLAN DA ROSA

Historiador, Mestre e Doutorando em Educação pela USP. Editor de literatura negra e periférica (Edições Toró). Produziu e apresentou o programa “À Beira da Palavra” na Rádio USP (2012-2014). Dramaturgo. Publicou livros de contos , poesias e sobre educação popular,entre eles, “Reza de Mãe” (Nós, 2016) e “Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem” (Aeroplano, 2013).

Allan vai ministrar uma Oficina de Contos no dia 12.09 às 14h na Biblioteca Marcos Rey

Foto: Sheila Signário

Foto: Sheila Signário

ALESSANDRA LEITE

Atriz, contadora de histórias e arte-educadora. Faz parte do Achadouros de Histórias, coletivo formado por cinco mulheres que promove ações de incentivo à leitura e faz a gestão da biblioteca comunitária Brechoteca - Biblioteca Popular.

bicicloteca.jpg

BICICLOTECA

Binho

BINHO

Binho é poeta, autor do livro "Postesia" e co-autor do livro “Donde Miras - dois poetas e um caminho". É o idealizador do Sarau do Binho que acontece há 14 anos na zona sul de São Paulo e também da “Expedicion Donde Miras” (caminhada cultural pela América Latina) , da “Bicicloteca” (biblioteca em bicicletas), do Projeto “Postesia” (Poesia nos postes), do projeto “Livro no ponto” e da Felizs - Feira Literária da Zona Sul.

cacopontes2.JPG

CACO PONTES

Poeta e multiartista. Desenvolve atividades interdisciplinares como escritor, performer, editor, arte-educador e produtor cultural. Publicou “O incrível acordo entre o silêncio & o alter ego” (Annablume/2008), “Sensacionalíssimo”, (Kazuá/2013), “Sociedade Vertical” (Hedra/2014)  e foi co-autor de “Varal de Poemas” (Paralelo Sur Editorial/2010), antologia bilíngue publicada a partir da iniciativa de pesquisadores de literatura brasileira contemporânea residentes em Barcelona. É integrante do Coletivo Poesia Maloqueirista há mais de uma década. Pesquisa a palavra nas perspectivas oral, corporal, sonora e visual

CAMILA TRINDADE

Cantora e compositora. Paulistana-embuense, filha de baianos, carrega na sua música ancestralidade e poesia.

Carlos Krueger.jpg

CARLOS ANDRADE

Paulistano, nascido no final dos anos 80, descendente de nordestinos e porto-riquenhos , escreve desde os 12 como se não houvesse amanhã por força do dom e do destino. Na escrita encontrou uma forma de ampliar e aflorar seus sentimentos. O que o afeta gera movimentações, de seu espanto, indignação e amor nascem os elementos de seus poemas.

cia reprises.jpg

CIA REPRISES

Grupo fundado a partir do projeto "Entre Risos e Lágrimas – O Teatro no Circo", parceira entre os Doutores da Alegria, o Centro de Memória do Circo e o Arquivo Miroel Silveira.

ciareves.jpg

CIA DO REVÉS

Formada por artistas de diferentes origens na região metropolitana de são Paulo, os palhaços circenses se juntam para compartilhar seus questionamentos e besteiras com o mundo. Os artistas André Schulle, Naiana Padial e Robert Durval têm em comum sua formação na escola de palhaços do Doutores da Alegria.

Catarina

CLEYDSON CATARINA

Brincante popular, poeta, ator, autor, facilitador cênico, cantor, figurinista, maquiador, artesão, bonequeiro e muito mais.

Cleylton

CLEILTON SANTOS

Aluno do 5º ano da EMEF Mario Fittipaldi, frequentador assíduo da sala de leitura, leitor voraz, inquieto e questionador.

coletivo baoba2.jpg

COLETIVO DE ARTE BAOBÁ

O Baobá Coletivo de Arte (BCA) foi criado em abril de 2016 por dois grandes amigos e artistas, Bruno Oliveira e Raphael de Souza. Este coletivo surgiu de uma inquietação: de viver para arte e de abordar assuntos muitas vezes esquecidos pela maioria dos artistas, a nossa cultura afro-brasileira, seus ensinamentos e mistérios.

Cris Lima

CRISTIANE LIMA

Psicóloga e educadora popular. É ativista cultural e da infância e atua como articuladora de projetos ligados à garantia de direitos das crianças. Também integra a Coletiva Brincantes Urbanas, que desenvolve trabalhos a partir da pesquisa e afirmação da cultura da infância, e a equipe gestora da Brechoteca – Biblioteca Popular. Afirma o brincar e as experiências estéticas/criativas como fundamentais para o desenvolvimento  humano.

Participa da roda de conversa "Os Saraus e seus desdobramentos nos territórios" no dia 23.09 às 13h na Praça do Campo Limpo.

Daniel Minchoni

DANIEL MINCHONI

É sola no graffiti, na Poesia Esporte Clube, no Jovens Escribas, Maus Costumes no RN e Sarau do Burro, Burruído, Selo do Burro, Nolombo e Nolombinho, Cabaret Revoltaire, Menor Slam do Mundo, Rachão Poético, Slam do Corpo e Phala'cia, núcleo permanente de pesquisa em performance e fala poética, em SP. Seus livros de cabeceira são “Escolha o título” (2006), “Iapois poisia” (2013), “Ouvivendo” (2013), “Carnevais” (2013), “Nos be gods de Olavo” (virtual - 2014), “Ex-porro, poema sugo” (2014) e “Rosário de boatos ou trancelim de outros” (2016). Encabeça também as antologias doburro e do menor slam do mundo. danielminchoni.tumblr.com

Foto: Angélica Lima

Foto: Angélica Lima

DÉBORA ARRUDA

Poeta de Aracaju (SE). Participa do Sarau "Poesia de todo canto"no dia 22.09 às 19h no Sesc Campo Limpo.

Foto: Daisy Serena

Foto: Daisy Serena

DÊSSA SOUZA

Cantora, compositora, atriz e produtora cultural. Coordena a produção dos projetos: Sarau do Binho na Praça do Campo Limpo, CITA – Integrar para (Co)Nstruir, ambos com o apoio do ProAC 2014, e do projeto Cantinho de Integração de Todas as Artes - que oficializou em 2014 o Espaço Cultural CITA, localizado no Campo Limpo, como Ponto de Cultura. Também é integrante do Bando Trapos.

dugueto.jpg

DUGUETO SHABAZZ

Em 2018 Dugueto Shabazz completa 15 anos de carreira profissional na música. A atuação deste rapper paulista está destacada através de diversas colaborações na discografia do Rap Brasileiro. Já se apresentou com GOG, Záfrica Brasil, Clã Nordestino, entre outros. Atualmente está focado em seu trabalho autoral, em seu primeiro EP contém 4 faixas inéditas e uma faixa bônus. Na música de trabalho “Eu tava aqui o tempo todo, você que não me viu”, o artista explora um deslocamento do seu eu lírico, colocando o ouvinte de frente com representação de uma personagem em dialogo com sua psique e seus conflitos. Pleno de consciência artística, não deixa de apresentar uma inteligente crítica social ao momento contemporâneo. Seja no rap, na literatura ou na poesia, Dugueto Shabazz é um escritor inqueito e talentoso MC em constante inovação musical.

Fernanda Coimbra

FERNANDA COIMBRA

Cantora com repertório fundamentado nas tradições negras e populares, participou desde criança de vários projetos culturais na região do Jardim São Luiz, onde mora até hoje.

Participa da roda de conversa "Os Saraus e seus desdobramentos nos territórios" no dia 23.09 às 13h na Praça do Campo Limpo.

Fernando Ferrari

FERNANDO FERRARI

Militante do Movimento Cultural das Periferias, Comitê Juventude Resistência, GT Violência do Fórum em Defesa da Vida , atua em defesa do território, ajudando na descentralização das riquezas do município para áreas de alta vulnerabilidade social e defende  o fim dos genocídios das populações periféricas. Atua na criação de uma Rede de Proteção e um Observatório Popular em Direitos Humanos.

Vai mediar a mesa ”Território, Movimentos Sociais e Educação Popular: Novos Círculos de Cultura” no dia 15.09 às 19h no Sesc Campo Limpo.

Ferrez

FERRÉZ

Nome artístico de Reginaldo Ferreira da Silva (São Paulo, 1975) é um romancista, contista, poeta e empreendedor. É ligado à corrente considerada literatura marginal por ser desenvolvida na periferia das grandes cidades e tratar de temas relacionados a este universo. Dotado de linguagem influenciada pela variante linguística usada na periferia de São Paulo, Ferréz já publicou diversos livros, entre eles Fortaleza da Desilusão(1997), Capão Pecado (2001), Amanhecer Esmeralda (2005) e Ninguém É Inocente em São Paulo (2006). É fundador da 1DASUL, grupo interessado em promover eventos e ações culturais na região do Capão Redondo, ligados ao movimento hip-hop. 

IMG_1504005892417.jpg

FRAN BOLADE LALEYE

Tem 20 anos, mora na cidade de São Paulo, começou a desenvolver suas poesias em 2012 e através da escola conheceu o Sarau. Entre esse caminho da cultura, as batalhas de sangue e conhecimento vieram para corresponder o seu amor pela rima e seguir com o seu free style.

Gisele Porto

GISELE PORTO

Foto: Gunnar Vargas

Foto: Gunnar Vargas

GUINÃO OLIVEIRA

Músico, compositor, vocalista e criador da Banda Preto Soul (2005-2015). Suas composições trazem a batida da Soul Music, influencia da sua vivência nos bailes Black dos anos 80.  Educador e ativista nas questões sociais da Zona Sul de São Paulo, acompanha o Sarau do Binho desde sua fundação. Realizou diversos shows com a Banda Preto Soul em eventos como Virada Cultural, Mostra Cultural da Cooperifa, Encontro Cultural DaVila, festivais, feiras e outros. 

Gumboot

GUMBOOT DANCE BRASIL

O Gumboot surgiu em meados do século XIX no período em que ocorriam as descobertas de minas de diamante e de ouro e por conta dos longos anos de colonização Holandesa e Britânica a segregação racial era essencialmente informal. Por conta dos inúmeros povos de diversas línguas (a África do Sul tem cerca de onze línguas oficiais) os trabalhadores encontraram um formato de se comunicar sem precisar do idioma e descobriram que com o batuque das botas, canto e gritos era a solução para que pudessem se comunicar. Segundo Rubens -mentor dessa técnica no Brasil- haviam diversas simbologias que simplificavam essa comunicação como a saudade da família, o trem que os conduzia as minas e a própria iniciativa em se divertir por mais que estivessem em condições insalubres de trabalho.

Heloisa Prieto

HELOISA PRIETO

Autora de 77 obras de ficção e fantasia, muitas delas adaptadas para o cinema, teatro e televisão. Mestra em comunicação e semiótica, Doutora em teoria literária, ministra oficinas de escrita criativa em diversas instituições. Entre seus títulos voltados para a tradição oral, O Jogo da Parlenda foi detentor do prêmio Itau, Mata, vencedor da categoria Melhor livro de folclore, (União Brasileira dos Escritores) e Lá Vem História, Prêmio Natura, (Companhia das Letrinhas).

Heloisa participa da mesa “Literatura infantil: desafios para produzir, circular e fruir” no dia 19.09 às 14h na Biblioteca Marcos Rey.

Iracema Santos do Nascimento

IRACEMA SANTOS DO NASCIMENTO

Doutora em Educação pela USP, com pesquisa sobre ensino de leitura literária nos anos iniciais do ensino fundamental. Consultora de articulação da Rede Leitura e Escrita de Qualidade para Todos. Membro do Conselho Curador do Festival do Livro e da Literatura de São Miguel Paulista.

jenyffer nascimento.jpg

JENYFFER NASCIMENTO

Mulher negra nordestina, mãe, trabalhadora, feminista, produtora e apreciadora de arte, além de frequentadora de saraus da periferia da zona sul de São Paulo. Jenyffer é porta-voz de uma geração de mulheres negras que estão descobrindo e construindo sua identidade enquanto mulheres negras, fortalecendo-se mutuamente e construindo diálogos visando ao fortalecimento de sua autoestima.

Jéssica Balbino

JÉSSICA BALBINO

É jornalista, mestranda em comunicação pelo Labjor/IEL da Unicamp, criadora do Margens, pesquisadora, amante, apaixonada, entusiasta da literatura marginal-periférica brasileira. Autora dos livros Traficando Conhecimento (Aeroplano, 2010) e Hip-Hop: A Cultura Marginal (Independente, 2006), além de participar como coautora de diferentes obras vinculadas à literatura marginal e ao hip-hop, é membro dos coletivos Frente Nacional de Mulheres do Hip-Hop (FNMH²), Hip-Hop Mulher e Mjiba.

João Luiz do Couto

JOÃO LUIZ DO COUTO

Arte-educador, escritor de livros infantis, contador de histórias e idealizador do “Quintal de Histórias” (Espaço CITA), espaço que propõe o encontro de contadores de histórias propiciando trocas e experiências e compartilhamento de pesquisas sobre oralidade.

Leno Vidal

LENO VIDAL

Formação em Artes Visuais e Tecnologia da Imagem pela Universidade da Amazônia - UNAMA (2007), Licenciatura e Bacharelado. Através de sua orientadora Janice Shirley Lima, iniciou sua carreira profissional na área da Arte/Educação na rede privada na Instituição de ensino Colégio Vera Cruz, ingressando depois na carreira pública estadual e municipal de ensino, quando passou a residir em São Paulo, a partir de 2008. Atualmente é professor de Arte Visuais na Rede Municipal de Ensino da Cidade de São Paulo, estudante de Pós-Graduação MBA Gestão de Projetos na Universidade Estácio. Em 2015 ganhou destaque com o projeto "Eu Venho do Mundo" Raízes Pankararu, desenvolvido na EMEF José de Alcântara Machado Filho, no bairro do Real Parque em São Paulo, onde o trabalho teve como objetivo reafirmar e fortalecer as memórias e tradições da comunidade Pankararu, indígenas em contexto urbano, originários da Aldeia Brejo dos Padres em Pernambuco.

ligia harder.jpg

LIGIA HARDER

Luan Luando

LUAN LUANDO

Poeta, autor do livro “Manda buscá”, participa do Sarau do Binho, do Sarau a Voz do Povo, do Bloco das Cores. Está lançando seu novo livro “Rélo” durante a III Felizs.

Luis Roberto de Paula

LUIS ROBERTO DE PAULA

Desde agosto de 2013 é professor da Fundação Universidade Federal do ABC (Campus São Bernardo do Campo), exercendo a docência nos bacharelados de Ciências e Humanidades e Planejamento Territorial. Graduado em Ciências Sociais (1995) pela Universidade de São Paulo, com mestrado e doutorado em Antropologia Social (1996-2007) pela mesma instituição. Consultor de estudos de impacto ambiental causados por projetos desenvolvimento sobre povos indígenas e em processos de identificação de terras indígenas e quilombolas.

Luiza Romão

LUIZA ROMÃO

Poeta, atriz e slamer. Formou-se em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 2013, e atualmente cursa o último ano da Escola de Arte Dramática (EAD/USP). Em 2014, publicou o livro Coquetel Motolove. Esse ano, se prepara para lançar seu segundo livro, Sangria. Além disso participou de diversas coletâneas (digitais e impressas) sobre literatura periférica. No teatro, integrou como atriz e/ou diretora os coletivos: Cia Ato Reverso, Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, Literatura Ostentação, Teatro Documentário e Turma 66. Além disso, pesquisa e produz videopoemas performáticos.

Foto: Bruno Fujii

Foto: Bruno Fujii

LUZ RIBEIRO

Nasceu no verão de 1988, paulistana, pedagoga, educadora física, aspirante a atriz, performer e poeta. Autora do livro independente, eterno contínuo (2013) lançado pelo selo do burro, tem poesias publicadas em diversas antologias. É uma das idealizadoras, preparadora de oficinas e poeta no coletivo Poetas Ambulantes. Em 2012, juntamente com o poeta comunicador Thiago Peixoto, fundou o Slam do Treze. Foi a primeira mulher campeã do Slam BR e representou o Brasil na Copa Mundial de Poesia na França em 2017.

Homo Poéticus

MARCO MIRANDA

Arteiro das periferias do mundo. Graduando na Universidade Federal da Integração Latino-Americana em Foz do Iguaçu. Atua como arte-educador, performeiro y poeta caminhante do Sarau do Binho.

Marciano Ventura

MARCIANO VENTURA

Escritor e editor, criador do selo “Ciclo Contínuo”,  editora que publica obras de literatura  negra e estudos sobre culturas afro-brasileiras.

Conversa com Conceição Evaristo na mesa "Escrevivências: a palavra poética como narração do outro mundo" no dia 18.09 às 18h no Sesc Campo Limpo.

marcio rodrigues.jpg

MARCIO RODRIGUES

Poeta, escritor e agitador cultural. Residente na zona sul de São Paulo, atuando sobretudo nas áreas de conflito nos extremos da cidade. Acredita que a arte é capaz de apontar novos caminhos e indicar novas vertentes.

Marilu Cardoso

MARILU CARDOSO

Doutoranda no Programa de Estudos Pós Graduados em História da PUC/SP, desenvolvendo pesquisa sobre a relação entre a arte e a Indústria Cultural Brasileira. Possui graduação em História - Licenciatura Plena pela Universidade de Santo Amaro (2001) e mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2013), onde defendeu a dissertação Para não esquecer Vandré. Atualmente é Diretora da Divisão de Orientação Técnico Pedagógica da Diretoria Regional de Campo Limpo da Prefeitura Municipal de São Paulo, onde pauta a necessidade da Descolonização do Currículo. Tem experiência na área de História, com ênfase em Cultura Popular Brasileira e na formação continuada de profissionais da educação básica da Rede Municipal de Ensino de São Paulo.

Marlon Cruz

MARLON CRUZ

Xilogravurista, Lutier de flautas, multi-instrumentista, cantor e compositor paraibano, descobriu-se músico aos 12 anos de idade através da inspiração de seu pai também músico, passeou por diversos ritmos musicais como brega, MPB, reggae, forró. Participou de diversas bandas musicais entre elas som D´Zion, República Zion, The King of the Brega, Ras Maclaude e ficou a frente da banda Raízes de Javé como fundador, compositor e cantor de 1999 a 2012. Em 2013 entra em sintonia com o universo xamânico, conhecendo um pouco mais da cultura dos povos indígenas, despertando a
sensibilidade de confeccionar instrumentos como flautas, tambores, violões, maracás e diversos instrumentos de percussão. Integra o Coletivo Sarau do Binho a 7 anos.

Marcelo Lima

MARCELO LIMA

Desde os 15 anos, o cantor, músico e interprete vem participando de rodas de viola e festas caipiras onde testemunha a força que ainda guarda este cancioneiro. O espetáculo nasce das memórias do músico, que vivenciou a cultura caipira desde a sua infância, em rodas de cantadores e violeiros, no interior do Paraná e São Paulo.

Ni Brisant

NI BRISANT

Nascido no verão de 1985 em Acajutiba-BA, é pai da menina Flora e dos livros “Tratado sobre o coração das coisas ditas” e “Para Brisa”. Pensa que a vida é o que achamos melhor, Poesia é o que a gente sente e o resto é só literatura. Conhecido como poeta sentimento, Ni é cofundador do movimento cultural Sobrenome Liberdade e do clube de leitura di-ver-gente Ninguém Lê.

oliveira.jpg

OLIVEIRA FERREIRA

Gráfico e poeta, frequenta o Sarau do Binho desde 2002 declamando poemas não só de sua autoria, mas contemplando poetas contemporâneos tal como Carlos Silva, Jessie Quirino, entre outros. Participou das duas antologias do Sarau do Binho em 2015 e 2016

Padre Jaime

PADRE JAIME

Padre irlandês que está no Brasil desde 1987 ajudando pessoas da região do Jardim Ângela. Dirige a Paróquia Santos Mártires no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo. Ao longo dos anos ele combateu os mecanismos de exclusão e transformou a paróquia em uma ONG que promove ações que vão do assistencialismo ao empreendedorismo.

Ele participa da mesa "Território, Movimentos Sociais e Educação Popular: Novos Círculos de Cultura" no dia 15.09 às 19h no Sesc Campo Limpo.

Pow Literarua

POW LITERARUA

Militante Ativista da Cultura Hip Hop ha 24anos, foi integrante do grupo de rap Atitude Fatal, do grupo Artefato Bombardeio, é um dos fundadores do grupo Versos em Brisa. Frequenta diversos saraus, inclusive o Sarau do Binho. Realiza oficinas de hip-hop no espaço Cita e outros espaços pela cidade. Em seu trabalho tem influencias na Literatura de cordel, Ragga, Rap e Repente.

raissa corso.jpg

RAÍSSA CORSO

Poeta, xilogravurista, radiestesista e artesã, integra o Sarau do Binho desde seu início. Sua poesia relata, experiências cotidianas e místicas, suas referências poéticas são Manoel de Barros e Kalil Gibran. Compõe os Coletivos Xiloidentidade, que divulga e viabiliza oficinas de xilogravura e seus artistas refêrencias e União Sananda, grupo musical de ritmos nativos,  em 2017 funda a União Akasha-Centro de Desenvolvimento Humano na região do Campo Limpo, local de terapias alternativas e convivência.

Foto: Ian Rassari

Foto: Ian Rassari

REGINA AZEVEDO

Poeta brasileira de Natal, no Rio Grande do Norte. Nasceu em 2000. Publicou os livros "Das vezes que morri em você", "Por isso eu amo em azul intenso" e "Pirueta", além de alguns fanzines. Seus poemas já estiveram no CEP 20.000, Balada Literária, Mostra Tuiteratura e Museu da Língua Portuguesa. Mais: www.reginazvdo.tumblr.com  

SarauCIRIACO 005.JPG

RODRIGO CIRÍACO

É educador e escritor, autor dos livros “Te Pego Lá Fora”, “100 Mágoas” e “Vendo Pó…esia”. Participa há mais de 10 anos do movimento de saraus da periferia. É idealizador do projeto “Literatura (é) Possível”, que desde 2006 desenvolve ações de incentivo a leitura, produção escrita e difusão literária em escolas públicas estaduais e municipais, com o “Sarauzim – Sarau dos Mesquiteiros”. Foi autor convidado do Salão de Paris (2015 e 2013), FELIV – Festival do Livro e Literatura Infanto-Juvenil da Argelia (2014), 40ª Feira Internacional do Livro de Buenos Aires (2014), FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty (2011), entre outros.

Ruivo Lopes

RUIVO LOPES

Produtor cultural, escritor, integrante do Sarau Perifatividade.

Estará na roda de conversa "As narrativas do pixo" no dia 23.09 às 14h30 na Praça do Campo Limpo. 

Saloma

SALLOMA SALOMÃO

Músico e historiador, pesquisador de culturas negras, com doutorado pela PUC. SP e ICS. UL. PT. 5 Cds e DVD lançados pelo selo Aruanda Mundi. Reside e atua artisticamente desde a década de 1970 no eixo sudoeste da metrópole. É também autor de várias publicações, entre elas, Memórias Sonoras da Noite: Musicalidades africanas no Brasil, nas iconografias do século XIX. Educ: 2002. Em Goma- Capulanas, textos sobre dramaturgia e teatro negros, São Paulo: Capulanas/SMC, 2012.

Serginho Poeta

SERGINHO POETA

Natural da periferia de São Paulo é poeta, historiador, professor e autor, juntamente com o escritor Binho, do livro de poemas "Donde Miras: Dois Poetas e um Caminho". Também realiza oficinas de criação literária.

Solange Amorim

SOLANGE AMORIM

46 anos, periférica, afrodescendente, diretora da EMEF Sócrates Brasileiro há 6 anos, professora há 25 anos, mãe, mulher, filha de Oxumarê e Iansã, feminista, socialista, militante da educação, defensora da escola pública democrática e de qualidade para todos e todas.

tati candeia.jpg

TATI CANDEIA

Atriz, percussionista, poetisa, Brincante, Contadora de História e Articuladora Cultural. Atua em Saraus através de intervenções poéticas, é integrante do Grupo Candearte e realiza oficinas de Cultura Popular sobre ritmos, canto e dança.

Tula Pilar

TULA PILAR

Poetisa, dançarina, escritora e agitadora cultural. Seus poemas foram publicados em um livro artesanal: “Palavras Inacadêmicas”. Uma coletânea de poemas provocadores, como a autora. participa de um conjunto de manifestações e eventos voltados à arte afro-brasileira e africana. Algumas criações poéticas de sua autoria foram incluídas na antologia "Saraus - Movimiento/Literatura/Periferia/São Paulo" realizada pela pesquisadora Lucía Teninna e publicada pela editora Tinta Limon. No mesmo ano, durante a XVI Feria del Libro em El Zócalo – México, outra antologia brasileira foi lançada: "Brasil Periférica - literatura marginal de São Paulo – Editora ADVS.

victor rodrigues.jpg

VICTOR RODRIGUES

Escritor, educador e artista de spoken word. Publicou a série de livretos “Praga de Poeta", “Sinceros Insultos" e “Aprender Menino" e circulou com a Poesia Maloqueirista. Publicou ainda, como prêmio do Menor Slam do Mundo, o livro "Versos para aumentar o mundo". Conduz oficinas, palestras e workshops, organiza saraus, intervenções, rodas de debate e pesquisa a poesia como gênero musical.

zinho.jpg

ZINHO TRINDADE

Mc, cantor, compositor e poeta. É ativista e articulador cultural e está sempre contribuindo com os movimentos sociais, saraus, encontros literários e eventos da grande São Paulo e de todo Brasil.Acompanhado de sua banda, Zinho Trindade desenvolve vasta pesquisa musical relacionada a mescla de sonoridades da música popular contemporânea com a tradição da música regional e da cultura popular dita de raiz e folclórica.